segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

...E ficamos tiriricas...



Saiu a notícia semana passada: Tiririca integrará a Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. Eu soube da notícia através da cara de desprezo do Willian Bonner. Tá certo, a figura do Tiririca todo mundo conhece. Um homem semi-analfabeto que achou que chegou à câmara num período de "sorte" e que fez da sua campanha política uma piada sem fim. Piada que teve um final feliz (desculpe a infâmia) e hoje mostra seu resultado, Tiririca na Câmara. Talvez muitos merecedores politizados ficaram de fora das rédeas do país devido a eleição massacrante de Tiririca. Talvez muitos incompetentes entraram no mesmo barco de Tiririca pela quantidade majestosa de votos que este recebeu.

O problema - e o preconceito - que temos com Tiririca nem cabe falar aqui. Na certa, cada um tem o seu motivo de amor e ódio, mas eu preciso dizer aqui que essa integraçaõ do Tiririca na Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados me fez pensar. Vou fazer jus à minha visão romântica e dar voz - ou letra - ao que andei pensando.

Tiririca foi um menino pobre de mmarré deci nascido no interior do Nordeste. A condição de vida, a pobreza, a falta de instrução lhe guiaram por um caminho bom, o circo, onde ele passou a trabalhar a patir dos 8 anos de idade.
De fato, trabalhar em circos não é nada fácil. Se a nossa vida como artistas aqui da capital já não é fácil, imagine ser artista no interior do Ceará? E com tudo isso, imagine ser uma criança pobre nesse meio? Não estou querendo justificar nada, mas essa situação pra mim é descrita como a imagem do palhaço triste. Triste palhaço esse Tiririca que se afastou da mãe quando criança na esperança de uma vida melhor pra ele e pra ela.
Sabendo de todas essas dificuldades, e sabendo que o Tiririca continuou sendo palhaço por toda a vida - e quando eu digo palhaço é palhaço de profissão! - é que eu penso na contribuição que ele poderia dar à cultura, principalmete aos projetos relacionados às artes circenses que estão pedindo ajuda sempre. Ninguém quer que o circo morra, mas para isso, é preciso ter artistas circenses, ter cursos profissionais de circo e ter estímulo às crianças para que estudem circo.

Só que viveu debaixo de uma lona poderá captar as necessidades do artista circense.
Claro que o Tiririca não tem instrução para elaborar um projeto, nem tem didática para ministrar uma aula um dia. Mas não será esse o segredo do palhaço?

Eu, durante minha vida de atriz, nunca fui capaz de ser clown, que dirá palhaço! Ser palhaço é se virar do avesso, é não ter medo do ridículo, é se expor tão completamente que faz o palhaço não parecer humano.

Será que com toda uma vida de circo, o Tiririca não poderá contribuir em nada???

2 comentários:

  1. É verdade! Mas a sociedade hipócrita não enxerga a vida na sua real imagem!

    Danúbia Consentino Vilela

    ResponderExcluir